ricardocarlin

Apenas uma página pessoal

VERDE-LOURO

Oh Templo Magnífico da Desavergonhada Prática Roubalhista!
Oh Ministério Supremo da Grandiosa Arrecadação Fazendária!
Oh Santo Conselho Legislativo Monte de Leis-Pra-Nada!
Oh Afável Congregação da Alta Incidência Tributária!

Oh Venerável Assembleia do Ócio Remunerado!
Oh Augusto Concílio dos Favores Interessados!
Oh Tribunal Majestoso das Causas Insignificantes!
Oh Parlamento Benemérito do Bolso dos Deputados!

Oh Palácio Pungente do Administrador da Rapinagem!
Oh Governo Virtuoso do Inútil e do Desperdiçado!
Oh Fórum Complacente da Injusta Malandragem!
Oh Harmoniosa Nação dos Cadarços Desamarrados!

Anúncios

TALVEZ QUEM SAIBA NUM REVESGUEIO DE DIA POR ALGUMAS LASCAS DESTE RINCÃO OU INADIMPLEMENTEMENTE AO BOLETO IMPAGÁVEL QUE NOS MANDA O UNIVERSO VEZ EM SEMPRES NO DIA CINCO DE CADA MÊS ESTE POSSA SER CLASSIFICADO COMO O MENOR POEMA DO MUNDO ESCRITO EM LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL ONDE JUDAS ENFIM ENCONTROU-SE COM UM ESPELHO QUE JAMAIS FOI IMPRESSO EM MIMEÓGRAFO FABRICADO NUMA IMPRESSORA 3D TENDO APENAS A RESSALVA DE QUE JÁ EXISTE UMA MÚSICA CRIADA COM O MESMO NOME POR UM COMPOSITOR DE NACIONALIDADE AQUI DESSA VERA CRUZ JÁ NASCILDO E QUE TOCAVA ANTES DE MORRER O QUE SE CONVENCIONOU CHAMAR DE MPB OU ENTÃO SÓ MÚSICA NORMAL MESMO COMO ESSAS QUE A GENTE OUVE NO DIAR DOS DIAS MAS PARTICULARMENTE MUITO BOA E BEM FLORÍVEL CUJA DISTINÇÃO SE DÁ ABESTADAMENTE NO FATO DE QUE NAQUELA TRATA-SE APENAS DO TÍTULO DA OBRA E NESTE DA INTEIREZA MAIS-QUE-PERFEITA DO POEMA EM SI, COM UM PONTO

É.

A política é o que há de mais superficial no pensamento.
Por isso é necessário que, no caminho da busca pelo conhecimento, a pessoa se inteire primeiramente dos princípios básicos da política.
Não adianta buscar a metafísica e querer vislumbrar o que é a alma, por exemplo, se antes não conseguiu ao menos entender o que é o Estado.
Mas bem por causa desta superficialidade, grande parte das pessoas não consegue mais se desvencilhar da política após se confrontarem com ela, utilizando-a como régua para qualquer desmedida e como resposta para qualquer ininteligência, porque tais pessoas são…, bem, vocês entenderam.

Seleção – Música Brasileira – Spotify – Parte II

Luciano Perrone – Batucada Fantástica (1959)
Os Indios Tabajaras – Always In My Heart (1965)
Walter Wanderley – Rain Forest (1966)
Sonia Rosa – A bossa rosa de Sônia (1967)
Raul Ferreira E Seus Ritmistas – Céu E Mar (1967)
Os Populares – Pipoca (1967)
Tuca (1968)
Luiz Claudio – Entre Nós (1968)
Sergio Mendes & Brasil 66 – Equinox (1968)
Trio Camara – Le Trio Camara (1968)
Vox Populi (1969)
Ivan Roskov (Rogério Duprat) – Casatschok (1969)
Os Abutres – Os Abutres Atacam (1969)
Omar Izar – A Gaita Mágica De Omar Izar (1969)
Evinha – Eva (1970)
João de Barro – Série Documento (1972)
Marilia Medalha – Caminhada (1973)
Silvia Maria – Porte De Rainha (1973)
Geovana – Quem tem carinho me leva (1975)
Rosinha De Valença – Cheiro De Mato (1976)
Paulo Moura – Confusão Urbana Suburbana E Rural (1976)
Antonio Adolfo – Feito Em Casa (1977)
Manfredo Fest – Manifestations (1979)
Francisco Mário – Revolta Dos Palhaços (1980)
Heraldo Do Monte – Cordas Vivas (1983)
Eliete Negreiros – Outros Sons (1984)
Eliane Salek – Baiôro (1985)
Vzyadoq Moe – O Ápice (1987)

Presidência da República – Casa Civil – Subchefia para Assuntos Jurídicos – LEI Nº 13.131, DE 3 DE JUNHO DE 2015 — Institui o dia 31 de outubro como o Dia Nacional da Poesia. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA – Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o É instituído o Dia Nacional da Poesia a ser celebrado, anualmente, no dia 31 de outubro, em homenagem à data de nascimento de Carlos Drummond de Andrade. Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 3 de junho de 2015; 194º da Independência e 127º da República. DILMA ROUSSEFF – João Luiz Silva Ferreira

ANNA AKHMATOVA – ALEXANDE EM TEBAS

Era certamente feroz, aterrador o jovem rei
ao anunciar: “Aniquilarás Tebas!”.
O velho capitão olhou para a orgulhosa
cidade que conhecia tão bem, desde outros tempos.
Tudo, tudo entregue às chamas! E o rei insistia:
as torres, os templos, os portões – a maravilha do mundo.
Mas parou subitamente, pensativo, depois sorriu e disse:
“Mas assegura-te de que seja poupada a Casa do Poeta”.

35734349284_4d27579395_o

O FEITIÇO DE ÁQUILA CONTRA
Quando acordei, reparei que ela estava dormindo.
Quando ela acordou, era eu quem estava.
Não nos encontrávamos mais.
Um dia acordamos juntos.
Havíamos morrido.

ovni

OSTENTAÇÃO — Tirei a carteira do bolso e mostrei pro pessoal: doze pilas. Ia dar pra comprar um prato-feito no almoço e me sobrariam apenas dois reais.
Admiração total dos presentes.
Menos do Vanuso, que sacou da carteira as únicas moedas que tinha, contou em prolífico som, e provou decisivamente que aquilo só dava para o ônibus até em casa; depois disso, estaria zerado. Baixei os olhos meihumilhado.
Menos ainda do Suméro, que abriu a carteira de par em par, vazia. Quer dizer, de dinheiro: além da sua cédula de identidade também havia um papel dobrado: xerox duma promissória que devia ser paga até inda hoje, senão deusolivre! Baixei foi a cabeça toda agora, minificado.
Foda, sempre tem um querendo aparecer mais que os outros!

TEXTO PRA FACEBOOK — Antigamente não havia facilidade de comunicação entre o escritor e o leitor. Aquele se esforçava ao máximo para ser claro; este, para compreender.
Se tal não ocorresse, pensava-se mais. Reflexia-se.
Hoje, vem um no facebook e escreve na velocidade dos dedos; vem outro e lê na velocidade dos olhos. Num (a)like a comunicação é estabelecida: não saquei, me explica.
Lá vai o besta na elucidação.
Antes > tivesse escrito com mais vagar >> refletisse melhor antes de perguntar.
É a facilidade da receita — o afastamento da reflexão. A urgência do texto — soterramento da fundura.

Seleção – Música Brasileira – Spotify – Parte I

Os Megatons (1964)
Vitor Assis Brasil ‎– Trajeto (1967)
The G/9 Group – Brazil now (1968)
Brazilian Octopus (1969)
Zito Righi E Seu Conjunto ‎– Alucinolândia (1969)
Bango (1970)
José Mauro ‎– Obnoxius (1970)
Piri – Vocês querem mate? (1970)
Paulo Moura – Fibra (1971)
Sérgio Ricardo – Arrebentação (1971)
Arthur Verocai (1972)
Luhli, Lucina e o Bando – Flor Lilás (1972)
Manduka (1972)
Sebastião Tapajós & Pedro “Sorongo” dos Santos (1972)
Luiz Bonfá – Jacarandá (1973)
Banda de Pau e Corda – Vivência (1973) Redenção (1974)
Téo Azevedo – Grito Selvagem (1974)
Sidney Miller – Línguas de fogo (1974)
Moto Perpétuo (1974)
Azimuth (1975)
Joyce – Visions of dawn (1976)
Saecula Saeculorum (1976)
João do Vale (1981)
ConSertão – Elomar, Arthur Moreira Lima, Paulo Moura, Heraldo Do Monte (1982)
Bené Fonteles – Benedito (1983)
Aum – Belorizonte (1983)
Jose Roberto Bertrami And His Modern Sound ‎– Aventura (2009)

A DIREITA É O TOTÓ DA ESQUERDA — Aqui Totó , vem . Late Totó . — au ! — Late de novo . — au au ! — Rola , Totó . — ∞∞∞∞ — Bom menino . Toma aqui um biscoitinho . ( Nisso , amarram o Totó na casinha , onde vai ficar sem comida até o dia seguinte . ) / ( …a Esquerda já está agora no sofá da casa rindo do programa da tv . Acaba de chegar a pizza gigante que encomendara . )